quinta-feira, setembro 30


Antero, por Columbano Bordalo Pinheiro
"Meus Senhores:
A decadência dos povos da Península nos três últimos séculos é um dos factos mais incontestáveis, mais evidentes da nossa história: pode até dizer-se que essa decadência, seguindo-se quase sem transição a um período de força gloriosa e de rica originalidade, é o único grande facto evidente e incontestável que nessa história aparece aos olhos do historiador filósofo. Como peninsular, sinto profundamente ter de afirmar, numa assembleia de peninsulares, esta desalentadora evidência. Mas, se não reconhecermos e confessarmos francamente os nossos erros passados, como poderemos aspirar a uma emenda sincera e definitiva? O pecador humilha-se diante do seu Deus, num sentido acto de contrição, e só assim é perdoado. Façamos nós também, diante do espírito de verdade, o acto de contrição pelos nossos pecados históricos, porque só assim nos poderemos emendar e regenerar.(...)"

In, Causas da decadência dos povos peninsulares nos últimos três séculos. Discurso proferido por Antero de Quental, numa sala do Casino Lisbonense, em Lisboa, no dia 27 de Maio de 1871, durante a 1.ª sessão das Conferências Democráticas.
(o sublinhado é da responsabilidade do blogger)

4 comentários:

MRob disse...

Muitíssimo oportuno, Guilherme! ;)
Francisco

gmarinho disse...

Pois é Francisco, Antero anda esquecido.
Obg, volta sempre!

Anónimo disse...

What a great site »

Anónimo disse...

Best regards from NY! » »