sexta-feira, junho 17

CHÁ QUENTE #76



According to Mr Juncker: "We believe ratification must continue. But it will be up to national governments when to ratify and how - with the process not likely to be ended before mid-2007"

Grossa asneira, parece-me! Socorro-me de José Gil, no Courrier Internacional, 10 de Junho:

«(…) A Europa é feita de nações, de regiões, de progresso, de arcaísmos, de iliteracia e de conhecimento. Os responsáveis políticos detêm o saber que, em certos países como o nosso, lhes confere uma mais-valia de poder democrático. Mais-valia que lhes advém pelo voto dos «ignorantes» (que pouco ou nada sabem do tratado da Constituição europeia nem da situação de Portugal na Europa).
Mas em Portugal, o povo «ignorante» vai votar «sim» por boas «razões». Uma convergência clássica e, entre nós tradicional, entre ausência de conhecimento e sabedoria profunda. Os políticos vão aplaudir.
Há, porém, uma coisa que os ignorantes sabem: é que o são. Saber democraticamente partilhado que pode, às vezes, ser motivado pela pulsão tão forte do conhecimento, que se não suporta mais que o destino seja sempre ditado de cima, por forças poderosas supostas de saberem mais e melhor o que é bom e útil para o povo.
Sem dúvida, o sentimento de que a construção europeia se impõe aos povos sem alternativa, sem escolha real, transportando para uma escala alargada que a amplifica, a inelutabilidade das decisões «democráticas» dos sistemas partidários de cada nação, contribuiu, difusa mas poderosamente, para a vitória do «não», tanto na França como na Holanda.»


Ora essa «Caixa de Pandora» foi aberta, este Tratado Constitucional está marcado pelo fracasso, e esta resposta dos 25 será encarada como uma manobra que só aumentará a força do NÃO, acrescentando-lhe um novo Não, o NÃO ÀS MANOBRAS!!!

3 comentários:

rdart disse...

...e mai nada!

Mariana Matos disse...

As Amoras. Lindo. Obrigada, pk como me visitante me sinto na obrigação de te agradecer. :)

gmarinho disse...

Obrigação? Oh mon Dieu, as obrigações ficam à porta eheh