terça-feira, janeiro 23

CHÁ COM TORRADAS #153


Por falar em representantes e representados, hoje, depois da paragem de inverno, a nossa Assembleia Legislativa retoma as suas sessões plenárias. Desde pequeno que tenho o vício da contabilidade das coisas (influência paterna certamente), talvez para me ajudar a percepcionar o concreto no meu dia-a-dia do abstracto. Assim é que, lembrado de que já vamos a mais de metade do «jogo» (legislatura), recorri à, sempre útil, base de dados on-line da ALRAA, e fiz um levantamento sobre algumas actividades parlamentares desde Novembro de 2004. A saber:
Iniciativas Legislativas
Projectos de Decreto Legislativo Regional (Deputados) - 15
Propostas de Lei (Deputados) - 6
Propostas de Decreto Legislativo Regional (Governo) - 90

Propostas de Resolução
Deputados - 51
Governo - 3

Requerimentos (Deputados)- 215

Votos (Deputados)- 121

Intervenções de tribuna (Deputados e Governo)- 317

Petições (Cidadãos) - 8

Os desempenhos parcelares ficam para quem for mais curioso e quiser tirar outro tipo de conclusões. Por mim, lembrando as necessárias reuniões das comissões parlamentares, para apreciação e preparação de deliberações, e as resmas de audições de diplomas nacionais que continuam a chegar para parecer, continuo a pensar que os nossos representantes continuam assoberbados de demasiados papéis...

6 comentários:

Anónimo disse...

Diria mais: assoberbados de demasiados papeis e a desempenhar outros tantos de verdadeira inutilidade.
Abraço

Nuno Barata disse...

É lamentável que o simbolo maior da democracia e da nossa autonomia seja uma espécie de "bombo da corte" onde todos gostam de malhar por tudo e por nada. Não será isso uma espécie de "cuspir na sopa"?

Anónimo disse...

É óbvio que é.

gmarinho disse...

Nem mais Caro Nuno, por isso é que é importante que o cidadão comum saiba o que se faz na ALRAA. E esse exercício de comunicação continua por fazer...

Anónimo disse...

não existe uma opinião pública informada nos Açores, e por isso esses senhores sentem-se à vontade para não fazerem nada. nos açores não existe contraditório; tudo o que há é anúncios do Governo de obras que já foram anunciadas uma e duas e até três vezes; o que há é "controleiros", uma espécie de Goebbels dos tempos modernos, aprendizes de democratas, que só fazem barulho, e dariam vontade de rir de tão simples(o "simples" é de amigo)que são, não fosse o assunto tão triste; as pessoas são mantidas à distância do poder, e isto é culpa tanto de uns como de outros, que ajudam assim a sustentar uma espécie de "intelligentzia" meio idiota, matreira, com pretensão a conhecedores de coisa alguma. se havia algum género de contra-poder (disseram-me que o senhor Nuno Barata colaborava num programa que ainda dava medo ao Governo), os mesmos "aprendizes de democratas" encarregaram-se de o secar... até quando irão os açorianos ser mantidos nesta ataraxia induzida?!?! por estes governantes, para sempre!

miguel

luis cabral disse...

O dr. guilherme alimentou essa tal "papelada" durante os 4 anos que lambeu as botas aos deputados e, durante esse tempo, nunca se lhe ouviu um ai que fosse sobre a matéria...
Para além de cobarde, o dr. guilherme apenas critica quem já não lhe dá de comer...
Ou será que a Assembleia mudou quando ele deixou de ser adjunto?